segunda-feira, 3 de abril de 2017

Pano de tabuleiro com bordado

Hoje acabei este pano que resolvi oferecer-me!
Costumo tomar o chá das cinco e transporto a chávena no tabuleiro com panos de bandeja que abundam na gaveta.
Mas apeteceu-me fazer este!
Quando, em pequenas, aprendíamos a bordar nas aulas de Lavores, punham-nos nas mãos um pedaço de linho para fazermos panos de tabuleiro! Era coisa pequena para acabar depressa... quando se acabava! Acho que isto aconteceu com todas as meninas  da minha geração, que agora rondam a minha idade. E bordei este pano não por falta dos referidos, mas porque resolvi copiar o desenho das três chávenas que a minha mãe me tinha deixado trazer da nossa casa de Ponta Delgada, deixando lá seis.
As chávenas são assim grandes, antigas, fininhas... 
como eu gosto para me consolar a beber um chá!
Reproduzi a olho o desenho da loiça e bordei apenas um ramo ao meio, por achar que nos cantos qualquer bordado ficaria tapado. O resto estava muito branco, por isso inventei uns arabescos que bordei a ponto pé de flor. Ficou assim muito simples, mas muito do meu agrado!
Para escolher as linhas fui pesquisar dentro da caixa que herdei duma grande amiga de família, a avó dos meus primos. Ainda organizadas por esta querida e saudosa amiga encontrei os tons das linhas ainda enroladas em cartões que, a certa altura me despertaram a curiosidade. Desenrolei um restinho de linha e desdobrei o cartão: era um convite para um baile no carnaval de 1946! E outro cartão era da participação dum casamento, em 1958. Lembro-me que a minha mãe também enrolava as linhas, mas em cartões que recortava.
 
Não conseguirei gastar todas estas linhas, mas irei utilizá-las em trabalhos que, depois, me irão lembrar a pessoa a quem pertenceram. As minhas filhas já não conheceram, mas irão lembrar-se do que eu lhes transmiti e irão dar utilidade a estas verdadeiras relíquias.
Este foi um post com cheiro a antigo, duma pecinha tão singela, de aparência insignificante, 
mas de grande valor para mim.
Estas são as pequenas coisas a que eu tanto me apego e me fazem reviver um passado agora já tão distante.
 As minhas linhas, já mais modernas, estão assim organizadas e foi com elas que bordei o meu quadro a ponto de cruz e que vou mostrar no fim.
 Foi com elas linhas que bordei este meu orgulho:
espreitem!
 UM ABRAÇO

16 comentários:

  1. FICOU GRACIOSO E AINDA BORDAS-TE AS FLORES DA CHAVENA, FANTÁSTICO, BJS AMIGA

    ResponderEliminar
  2. Oi Teresinha...
    Em outra vida eu vou aprender a bordar, tricotar e crochetar, rsrsrs nessa eu sou um desastre... ficou lindo o pano de tabuleiro!!!
    Beijosss

    ResponderEliminar
  3. Que lindo, o bouquê igual a xícara! Muito gracioso, Teresinha! Também fui no link, você bordou o templo Taj-Mahal em ponto cruz?!?! Maravilhoso, meus parabéns. Adoro ver essas coisas. Também bordo um pouco, bem que agora estou mais para o lado da escrita.
    Beijinho, querida amiga.

    ResponderEliminar
  4. Ficou tão delicado! E reproduziste com maestria as flores da chávena, Muito gracioso amiga Teresinha
    Beijos e uma boa semana

    ResponderEliminar
  5. Muito bom gosto, e combinou perfeitamente com a xícara.

    pax et bonum

    ResponderEliminar
  6. Meu Deus Teresinha ... que paleta linda de linhas!!!
    Adorei a simplicidade do bordado!
    A chávena é maravilhosa!!!bj

    ResponderEliminar
  7. Lindo!!! Os meus parabéns por tão admirável trabalho.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  8. Ola minha querida, ja estava com saudades, ficou simplesmente lindo seu trabalho...Você tão caprichosa, fiquei apaixonada por esse bordado! Falando em bordado, comecei a usar as pegas que ganhei certa vez de você... e não tem como não me lembrar de você toda vez que as utilizo, são meu xodó na cozinha!! O pano ainda esta la guardado, não tive coragem de colocar uso, mas um dia colocarei bjucas querida!

    ResponderEliminar
  9. Simples, Belo e delicado!
    Adorei o teu pano de tabuleiro.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Querida Teresinha, gostei imenso do bordado e daquilo que ele representa - o chá das 5 e o seu ritual. Adoro rituais e esse é sagrado.
    O naperon resultou encantador na sua ingenuidade.
    O quadro é uma obra de arte, meticuloso e exigente, obra a que jamais me candidataria.
    Finalmente, fiquei muito feliz com o teu regresso ao blog, onde senti imenso a tua falta.
    Agora não fujas de novo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Sem duvida ficou muito lindo e parecido com o da xícara, parabéns pelo trabalho.
    Bjs

    Tânia Camargo

    ResponderEliminar
  12. Boa tarde Teresinha,
    Que ideia tão linda!O pano ficou maravilhoso.
    Estive a ver o quadro e está perfeito. Parece fotografia!
    Biejinhos e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  13. Teresinha, as nascentes, quando as visitei estavam quase despejadas, mas, mesmo assim, o local é magico com os vestigios das termas romanas. Merece uma visita sem a mínima dúvida.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Muita arte nas tuas mãos Teresinha! O pano ficou tão lindo, que belo auto-presente :)
    Eu sou uma "naba" em bordados, é só ponto-cruz e já não está mal! A minha mãe é que tinha muito jeito para esses pontos, ainda fez umas quantas coisas. Mas também já se deixou disso que a visão não ajuda,agora só vai dando no crochet :)
    Fiquei fascinada foi com os cartões das linhas antigas, adoro passear nessas memórias de outros tempos, que, apesar de não serem os meus, me atraem imenso. Esse cheiro a antigo é uma das minhas paixões.
    Termino dando os parabéns pelo quadro do Taj Mahal, que lindo. E que trabalheira deve ter dado! Mas valeu a pena.
    Beijinhos e boa semana :)

    ResponderEliminar
  15. Superbe napperron bravo j'adore la fleur
    Bonne journée
    Marie-Claire

    ResponderEliminar

Gosto muito de ler os comentários, por isso, se gostou do que viu, pode deixar a sua opinião!
Tenha um dia feliz... com muita saúde!